Wattpad

Conheça: John Don no Wattpad

Essa é mais uma indicação de um livrão com um tema bem diferente e que deveria ter muito mais visibilidade dentro do Wattpad. John Don é uma ficção geral já concluída, com 27 capítulos e mais de 6 mil visualizações que trata sobre um jovem esquizofrênico e a sua luta com a doença.

Sinopse: Se você olha bem, talvez encontre algo útil. Ou não, afinal se eu fosse você não daria muita bola pra mim, não sou lá muito confiável.

Há uma alteração em meu cérebro, os meus neurônios produzem mais ligações do que um cérebro “normal”, o que faz com que eu ouça vozes, veja coisas que não existam, as vezes posso ser um pouco paranoico. Mas está tudo bem, levei um tempo para perceber isso, mas eu entendi. Meu nome é William e eu sou esquizofrênico.

Fonte: da autora

William descobriu que sofria da esquizofrenia ainda na adolescência e tomando seus remédios viveu bem até o início de sua vida adulta. Tudo começa a ir por água abaixo quando a namorada que ele amava não aceita se casar com ele justamente por ele ter essa doença e logo depois termina seu relacionamento e se envolve com outro cara. William, arrasado, para de tomar seus remédios e ao ver sua ex-namorada com o novo affair dela, tem um surto.

Então ele é internado em uma clínica de reabilitação, junto com outros colegas que possuem problemas semelhantes. E pouco a pouco vai se adaptando a rotina e conhecendo melhor cada um dos pacientes. Porém, há um deles que é um mistério para todos e nem mesmo seu nome é conhecido. Todos eles o chamam de John. William se vê curioso em descobrir quem John é e se aproxima dele. Os dois, então, se tornam grandes amigos e com a ajuda do outro, Will começa a conhecer melhor a si mesmo.

Mas nem tudo são flores e as dúvidas começam a aparecer. John é real ou fruto da sua própria imaginação? Ou então seria uma parte do seu subconsciente? E os novos surtos que William anda tendo? Como se livrar deles? Como permanecer bem? E principalmente como distinguir o que é real do que não é?

Fonte: da autora

A história é muito bem escrita, de longe se nota a preocupação da autora em abordar o tema de forma séria, provavelmente com muitas pesquisas sobre o assunto. A própria escrita em primeira pessoa mostra a inocência do William, a sua maneira de ver o mundo e nos leva a sentir as mesmas coisas que ele, inclusive não sabendo identificar o que é real do que não é.

Além de tudo isso, há algumas críticas e reflexões abordadas ao longo da história como a do trecho abaixo:

“Você percebe que todo plano que planejou, todo sonho que sonhou, por menor que seja, você deixou de lado? Tudo aquilo que você queria, tudo aquilo que queria ser ficou pra trás, apenas porque você estava com medo do que os outros iriam falar. Quando você olha no espelho, o que você vê? Não digo aquele que sorri pra todos e fala bom dia pro porteiro, mas aquele que se esconde a vista de todos. É alguém que te dá orgulho ou alguém que não faz a mínima ideia de como veio parar aqui? Estamos perdidos, por mais que você diga, insista e aponte onde é o caminho. Estamos perdidos, crianças esperando por algum adulto chegar e nos dizer o que é certo e que nos carregue pelo caminho. Estamos perdidos na poeira do tempo e o pior de tudo é que nem fazemos ideia disso.”

E é por essas e outras que eu super-indico a leitura de John Don. Além de poder entender melhor sobre essa doença, é um texto inspirador, leve, simples, de uma leitura agradável e que só tem a acrescentar.

Fonte: da autora

LINKS

Leia John Don no Wattpad

Siga Tayna Nunes no Wattpad

Curta A Hyposa no Facebook

Postagem Anterior

Conheça: Sinistra no Wattpad

Post Seguinte

Conheça: Allegra: Antes do Play

O Autor

Stefani P. Paludo

Stefani P. Paludo

Stéfani é uma jovem escritora gaúcha que além de tudo é leitora, estudante de arquitetura e apaixonada por todas as artes em geral. Descobriu desde pequena o amor pelos livros e desde o início da adolescência o amor pela escrita. Possui algumas histórias postadas em plataformas onlines como Wattpad, e pretende prosseguir escrevendo sempre mais, não só como um hobby, mas como uma maneira de aliviar-se, descarregando pensamentos e reinventando a realidade.

Sem Comentários

Deixe sua pergunta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *